romance

Popcorn time: os últimos filmes vistos

por Jessica Oliveira Blaszcyk em

Como não escrevo esse há algum tempo aqui no blog a lista tá gigante, por isso vou dividir nos próximos posts. Hoje quis falar de alguns filmes que vi recentemente no Popcorn Time e que de alguma forma me marcaram (quem ainda tiver dúvidas sobre o que é e como funciona recomendo ler esse post AQUI).

Eu gosto muito de fazer essa lista aqui no blog porque acaba sendo um registro para mim e para a minha memória que é péssima – nunca lembro direito o que eu já assisti. Também acredito que esse tipo de post ajuda muito, já que várias vezes eu mesma me pego caçando opções para assistir lá, porque quanto mais filmes são disponibilizados, mais eu fico perdida sobre qual assistir. *a lista não está na ordem do melhor para o pior, são todos filmes que eu achei que valem a pena serem vistos. 

Inside Out (2015)

lead_960

Uma animação bem inteligente, ao meu ver, conta como é a vida dentro da cabeça de Riley, uma menina de 11 anos que acaba de sair com os pais de sua cidade natal para morar em São Francisco. Dentro da “sala de comando” do cérebro dela convivem várias emoções diferentes, como a Alegria, o Medo, a Raiva, o Nojinho e a Tristeza, e em cada momento uma assume um pouco do controle. Gostei muito da forma simples que mostrou como as emoções tomam conta e a necessidade de termos todas elas, e não só a alegria, por exemplo. Super fofo, e recomendadíssimo para todas as idades.

Interstellar (2014) 

interstellar3-xlarge

Num futuro não muito animador o nosso planeta está vivendo uma época ameaçadora para a espécie humana, e um grupo de cientistas são enviados para o espaço, em busca de planetas que possam abrigar os moradores daqui e evitar a nossa extinção. Eu sou completamente apaixonada pelo estudo de planetas, estrelas, buracos negros e tudo que envolve astronomia, tanto que quem me conheceu na infância me ouviu falar algumas vezes sobre meu sonho de ser astronauta hahaha. Por isso acho que fico maravilhada com esse tipo de filme. Tem várias questões complexas tratadas dentro do filme, desde dramas da vida pessoal, até viagem no tempo, e relatividade. Um dos meus filmes preferidos dos últimos tempos, sem dúvidas.

The Cokeville Miracle (2015)

The-Cokeville-Miracle

 

O filme retrata uma história real, que aconteceu nos Estados Unidos em 1986, quando as crianças da escola primária de uma pequena comunidade cristã de Cokeville, Wyoming, foi mantida refém por um lunático, que com a sua esposa queriam provar que descobriram uma forma de reencarnar. Ainda não inventaram palavras para eu descrever o que senti enquanto assistia esse filme, fiquei emocionada, arrepiada, e maravilhada com o milagre que aconteceu com essas crianças, que mesmo após a explosão da bomba saíram todas vivas. Se tem um filme que eu diria para TODAS as pessoas assistirem, esse é o filme.

True Story (2015)

7cde6232a73c4e32_true-story03.xxxlarge

Baseado em fatos reais, o criminoso Christian Longo (James Franco) dá exclusividade ao jornalista do New York Times Michael Finkel (Jonah Hill) cobrir a sua história. Longo viveu foragido por anos, e esteve presente na lista dos mais procurados do FBI. O filme nos deixa com aquela sensação de não saber o que é verdade e o que não é, e alguns detalhes são passados de forma bem sútil. Achei bastante intrigante e envolvente a trama.

Every Thing Will Be Fine (2015)

399aade3-b90e-4378-9465-fd1dc3b009ec-2060x1236

Novamente um filme com James Franco (amo!) conta a história de um escritor que está em busca de inspiração e com problemas conjugais, quando um acidente acontece e muda toda a sua vida. Falando dessa forma o filme parece meio clichê, mas já aviso que não é! A trama é bem intensa, e até um pouco “estranha” para quem está acostumado com filmes mais comuns, em que os diálogos contam a história. Esse deixa margem de sobra para sentirmos os personagens e interpretarmos as situações que não são ditas, e como eu já tenho a fama da pessoa que gosta de filmes estranhos (nem ligo) esse é um daqueles que causam um desconforto ao assistir, mas que nos levam a algumas reflexões valiosas.

Esses últimos três filmes que vou contar, tem a ver com a minha eterna vibe adolescente, eu gosto muito de filmes que mostram essa fase dos 17/18 anos da vida, onde várias decisões importantes são tomadas e determinam o futuro.

 

The Perks of Being a Wallflower (2012)

THE PERKS OF BEING A WALLFLOWER

“As vantagens de ser invisível” em português, conta a história de um grupo de adolescentes cercados de dramas familiares, festas e descobertas. Uma das minhas frases preferidas na vida é desse filme (que foi baseado no livro com o mesmo nome) e diz “Nós aceitamos o amor que achamos que merecemos.” O personagem principal Charlie (Logan Lerman) é a coisa mais fofa desse mundo, um cara solitário, que está se recuperando de perdas pessoais e uma terrível depressão quando conhece Patrick (Ezra Miller) e Sam (Emma Watson). O filme tem aquela pegada indie que tenho visto com maior frequência atualmente, o roteiro é inteligente, divertido e até chocante. Só de escrever sobre me deu vontade de ver de novo <3

Me and Earl and the Dying Girl (2015) 

me-and-earl-and-the-dying-girl60958

A história começa com Greg (Thomas Mann), que está no último ano do ensino médio tentando passar por essa fase da forma mais anônima possível. Ele e seu único amigo Earl (RJ Cyler), gostam de criar filmes juntos. Mesmo sem gostar de fazer muitas interações sociais, sua mãe o obriga a fazer amizade com uma colega de classe que tem leucemia. O resto vocês vão saber quando assistirem. Não sei se quando eu falei de Bates Motel eu deixei claro o quanto eu era apaixonada pela atriz Olivia Cooke, e nesse filme ela está simplesmente incrível.

Paper Towns (2015)

PAPER-TOWNS-2015-007

“É muito difícil ir embora – até você ir embora de fato. E então ir embora se torna simplesmente a coisa mais fácil do mundo.” Um filme que também é cheio de frases marcantes, como as do livro. Apesar de ter me apegado menos a esse do que aos dois anteriores, a história de Quentin Jacobsen (Nat Wolff) e sua enigmática vizinha Margo Roth Spiegelman (Cara Delevingne), mostra um amor platônico de infância que virou, a meu ver, uma certa obsessão na vida do adolescente. Após o sumiço de Margo, o personagem principal passa a dedicar todo seu tempo livre em busca de pistas para reencontrá-la.