December 2016

Nosso feliz natal para vocês!

por Jessica Oliveira Blaszcyk em

 

Só temos que agradecer o ano que tivemos, e comemorar esse natal com a nossa família de 4 “pessoas”.

Obrigada pela companhia durante esse ano! Espero estar mais presente em 2017.
LEO-152 LEO-129

Primeiro mês de vida

por Jessica Oliveira Blaszcyk em

Aqui os dias têm sido malucos e intensos, eu nem vi esse primeiro mês passar. Se tem uma dica que eu daria a todas as mães é que além de se preocuparem com o enxoval do bebê e o parto, estudem: baby blues, puerpério, pico de crescimento, salto de desenvolvimento, confusão de bicos e PRINCIPALMENTE sobre amamentação.

Amamentar é difícil, privação de sono é difícil e voltar para a casa com um serzinho que depende única e exclusivamente de você é assustador. Na maternidade eu estava surtando de alegria, brinquei que tive o oposto de depressão pós parto (que fique bem claro que era uma piada minha e não uma forma de ofender quem tem depressão, coisa que é muito séria, ok?!), o Léo dormiu as duas noites INTEIRAS na maternidade, eu acordava ele a noite para fazer ele mamar, porque ficava com medo de passar aquela “reserva” com a qual eles nascem, e o leite não descer por falta de estímulo, por isso estimulava muito mesmo, e ia ajeitando a pega dele.

Nos primeiros dias em casa eu tive alguns momentos que pareciam que eu estava ficando maluca, coisas do tipo: eu vi meu gato pulando da cama e achei que era o bebê se jogando no chão. Meu susto foi tão grande que rendeu uma crise de choro. Acordei no terceiro ou quarto dia em casa e levei um susto ao ver um bebê ao meu lado. Na confusão da falta de dormir, com a loucura que é a vida pós parto, eu cheguei a simplesmente não lembrar quem era ele, e perguntei ao meu marido se era nosso aquele bebê. Quando ele confirmou que sim, comecei a chorar compulsivamente.

O baby blues durou por volta de 5 dias e os finais de tarde eram a coisa mais assustadora e melancólica de todas. Tinha medos irracionais e achava que ele poderia morrer a qualquer momento. Tive medo de perdê-lo, medo de não dar conta, medo de não conseguir cuidar dele. Medo, medo, medo… Se não fosse o apoio e colo da minha mãe e irmã que estavam aqui, e o acolhimento do meu marido, não sei como teriam sido esses dias.

Esse primeiro mês exige dedicação exclusiva, abdicação do seu tempo, você está sangrando, vazando leite, se adaptando a uma nova rotina, conhecendo melhor o seu bebê e descobrindo sentimentos que nem imaginava que podia ter. É mágico, é apavorante e é delicioso. Nós sobrevivemos a esse primeiro mês com a ajuda da família que veio de SP para cá e nos alimentaram, nos apoiaram, deram colo e amor. Com grupo de apoio a amamentação no WhatsApp e com horas de pesquisas em sites como GVA.

Encerrei o mês com lágrimas ao perceber que o tempo estava voando e que a cada dia o meu bebê estava maior, e para não perder essas memórias contamos mais uma vez com a doce Laura, que nos registrou em meio a esse turbilhão de sentimentos e emoções.

LEO-7 LEO-22 LEO-32 LEO-38 LEO-60 LEO-64 LEO-69 LEO-76 LEO-81 LEO-87 LEO-97 LEO-99 LEO-102 LEO-107 LEO-111

LEO-93

Desenvolvimento do bebê:
Fica quietinho quando coloco música pra ele, geralmente sons instrumentais
Dorme bastante durante o dia e acorda muito a noite
Fica grudado por horas e horas no mamazinho dele
No começo chorava muito para tomar banho e na troca de roupas, mas em poucos dias passou a aproveitar esses momentos
Toma banho na banheira
Adora que conversem com ele
Gosta de dormir em cima da nossa barriga
Ama ficar no colo
Gosta de andar de carro